Antes da Páscoa… o Getsêmani

A Páscoa, o Getsêmani

Neste ano, em meio às dificuldades, temos a oportunidade de refletir sobre o Getsêmani e a Crucificação. Momentos de luta, mas também de vitória do Senhor Jesus.
 
Charles Spurgeon afirma em seu sermão:
 
“Poucos foram feitos participantes das aflições do Getsêmani. A maioria dos discípulos não estava lá. Eles não eram suficientemente maduros na graça para serem capazes de contemplar os mistérios da agonia.

1. Ocupados com a festa de Páscoa

Ocupados com a festa de Páscoa em suas casas, eles representavam os muitos que viviam sob a lei, mas eram meros bebês e lactantes no que se refere ao espírito do Evangelho. Os muros do Getsêmani apropriadamente tipificam esta fraqueza na graça que efetivamente esconde da contemplação dos crentes simples as profundas maravilhas da comunhão. A doze, ou melhor, a onze [discípulos] foi concedido o privilégio de entrar no Getsêmani e contemplar esta grandiosa visão.

2. Somente aqueles que tinham intimidade com o Senhor

Dos onze, oito foram deixados a certa distância; eles tinham comunhão, mas não aquele tipo de intimidade a que são admitidos os homens grandemente amados. Apenas três altamente favorecidos, que tiveram com Ele no monte da transfiguração, e testemunharam o milagre da ressurreição na casa de Jairo – apenas estes três puderam aproximar-se ao véu de Sua misteriosa angústia: neste véu mesmo estes não deveriam adentrar; uma distância de um tiro de pedra deveria estar entre eles. Ele deveria pisar o lagar sozinho, e do povo ninguém deveria estar com Ele.

Pedro e os dois filhos de Zebedeu, representam os poucos santos eminentes, experimentados, instruídos na graça, que podem ser descritos como “Pais” estes fizeram negócios em muitas águas, podem em algum grau, mensurar a enorme onda Atlântica da paixão do seu Redentor; havendo passado muito tempo sozinhos com Ele, eles podem ler Seu coração bem melhor do que aqueles que meramente O viram em meio à multidão.

3. Preparados com um fortalecimento especial

A alguns espíritos escolhidos isto é dado, para o bem de outros, e para seu próprio fortalecimento para [enfrentar] algum conflito futuro, especial e tremendo, para adentrar no círculo íntimo e ouvir as súplicas do sofrimento do Sumo Sacerdote; eles têm comunhão com Ele em Seus sofrimentos, e são feitos semelhantes à Sua morte.

Contudo, eu digo, mesmo estes, os eleitos dentre os eleitos, estes escolhidos e favoritos especiais dentre os cortesãos do rei, mesmo estes não podem adentrar no lugar secreto do sofrimento do Salvador, como para compreender todas as Suas agonias. “Teus desconhecidos sofrimentos” é a notável expressão da Liturgia Grega; pois há uma câmara interna em Sua aflição, isolada do conhecimento e companheirismo humanos. Não foi aqui que Cristo foi mais do que nunca um “Indescritível presente” para nós?

4. O próprio Jesus deve dar-lhes acesso às maravilhas do Getsêmani

Uma vez que não seja possível para nenhum crente, por mais experimentado que seja, saber por ele mesmo tudo o que nosso Senhor suportou no lugar de prensa de azeite, quando Ele foi esmagado sob a mais alta e mais baixa pedra do moinho do sofrimento mental e malícia infernal, isto é claramente muito além da capacidade do pregador em expressá-lo a vocês. O próprio Jesus deve dar-lhes acesso às maravilhas do Getsêmani: quanto a mim, posso apenas convidá-los a entrar no jardim, pedindo a vocês que tirem as sandálias dos pés, porque o lugar em que estamos é terra santa.

Eu não sou Pedro, nem Tiago, nem João, mas alguém que, de bom grado, como eles, gostaria de beber do cálice do Mestre, e ser batizado com o Seu batismo. Eu tenho até agora avançado apenas tão longe quanto está o grupo de oito [discípulos], mas ali eu tenho escutado os gemidos profundos do Homem de dores. Alguns de vocês, meus veneráveis amigos, devem ter aprendido bem mais do que eu; mas vocês não se recusarão a ouvir novamente o ruído das muitas águas que se esforçaram para [tentar] apagar o Amor do Grandioso Esposo das nossas almas [Ezequiel 1:24].

Muitos assuntos exigirão nossa breve consideração. Vem Espírito Santo, Sopra luz em nossos pensamentos, vida em nossas palavras.”

A vitória de Jesus no Getsêmani

A vitória de Jesus no Getsêmani, veio depois do seu grande clamor em oração. A paz tranquilizou o seu coração e o preparou para enfrentar o Calvário.
 
Jesus nos afirmou:

“Tenho vos dito isto, para que em mim tenhais paz;

  no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”

(João 16:33)

Extraído e adaptado da Mensagem

A Páscoa ” Getsêmani ” – Charles H. Spurgeon – por Alê Rocha em 16/04/2017 

Antes da Páscoa… o Getsêmani

2 opiniões sobre “Antes da Páscoa… o Getsêmani

    • 17 de abril de 2020 em 20:51
      Permalink

      Nós agradecemos poder contar com o incentivo da Palavra do Senhor. Que o nosso bondoso Deus continue abençoando grandemente o seu ministério.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *