O Espírito Santo, um outro Consolador – (Parte 13)

A vinda do Espírito SantoDurante aqueles anos os discípulos haviam recebido encorajamento e forças; contudo sentiam que Jesus estava prestes a retornar ao céu. Percebendo a tristeza deles, Jesus promete enviar um consolador: o Espírito Santo.

O tempo da partida estava próximo


Até aquele ponto Jesus sempre estivera em companhia deles. Ele fora o seu consolador, seu professor e seu guia. Agora os discípulos precisavam aprender… a relação existente entre o Espírito Santo e a pessoa de seu Senhor, Jesus Cristo.

Naturalmente que Jesus reconheceu essa necessidade, e por isso mesmo falou mais especificamente ainda sobre isso, quando os dias de sua vida na carne chegavam ao fim.

Outro Consolador

Sob essas circunstâncias, Jesus precisava esclarecer para eles como conseguiriam passar sem sua presença. Foi por essa altura que Jesus lhes falou sobre o Espírito Santo, designando-o de ― outro consolador… alguém que ficaria ao lado deles, uma pessoa que assumiria exatamente o mesmo lugar entre eles, no terreno invisível, que Jesus preenchera.

Exatamente igual a Jesus

Da mesma maneira que Ele lhes ministrara pelo espaço de três anos, agora o Espírito Santo haveria de guiá-los a toda a verdade (João 16:13). Jesus estava falando de uma promessa que envolvia real compensação pela perda que os discípulos haveriam de sofrer. ― Outro Consolador, exatamente igual a Jesus, haveria de enchê-los com a própria presença do Mestre.

Uma relação ainda mais profunda

De fato, os privilégios que os discípulos haveriam de usufruir, nessa relação mais profunda com o Espírito, eram maiores do que aqueles que tinham conhecido quando Jesus andava com eles, ao longo das estradas da Galiléia.

Afinal de contas, Jesus estava limitado a um corpo e a um lugar só de cada vez; ao passo que, no Espírito, essas limitações foram inteiramente removidas. Agora o Senhor poderia estar sempre na companhia dos discípulos; e, literalmente, seria capacitado a jamais deixá-los…

“Eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.” Mateus 28.20

(Extraído do livro Plano Mestre de Evangelismo de Robert Coleman, capítulo 4 – Transmissão)

O Espírito Santo, um outro Consolador – (Parte 13)
Classificado como:        

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *